A esperança não pode partir!

November 20th, 2012 por

A história que a seguir vou contar é verídica, mas foi obviamente escrita com o meu linguajar, o que entenderão porquê ao lê-la.

Este fim de semana fui visitar o Novo Caminhar, instituição que comecei a ajudar quando ao completar 50 anos, pedi aos amigos que celebraram comigo essa data, que ao invés de me presentear com coisas para mim, me ajudassem a ajudar quem necessitava. Na época consegui juntar uma camionete de doações. Foi d+++++!

Desde então, sempre que posso vou até lá levar, ora produtos necessários na manutenção da casa, em geral, produtos de higiene, ora coisas minhas que já não uso mais. Essas são vendidas em um bazar que gera verbas para levar as meninas para passeios, tidos por nós como corriqueiros, mas que para elas é um presente imensurável. Tipo, ir ao parque de diversões ou até andar de escadas rolantes num shopping!

Não sei se sou eu que lhes faço bem ou elas que me enchem de vida e de esperança!

É um aprendizado sem fim e, lamento não ter tempo para ir mais vezes, inclusive para participar de atividades educativas. Por exemplo, desta vez, tentei ensinar a fazer croché, mas claro, isso é inviável de ser aprendido numa visita “curta de médico”…..kkkkkk

Sei que existem milhões de brasileiros e de gente pelo mundo que precisa de ajuda, não dá para chegar a todos, mas se em algum momento plantamos a sementinha em um lugar, essa cresce e dá frutos que se multiplicam e ajudam outros. Por isso, tenho sempre pedido a quem possa que me ajude a ajudar quem precisa! E vejam porquê:

Chamo-me L, tenho 15 anos e vim de uma família paupérrima, que infelizmente não soube me proteger. Por isso, cresci só, abandonada à sorte e à caridade de quem me via e me ajudava, ao me observar  a zanzar pelas ruelas e pastos de minha aldeia. Até que cresci!

Virei mocinha e alvo muito atrativo para aqueles que são inescrupulosos. Apesar de meu odor ser intolerável e estar sempre infestada de parasitas fui vitima da crueldade do Homem macho e, além disso testemunha de situações extremamente violentas.

Finalmente, no abandono da minha angustia, alguém se deu conta da minha malfadada sorte e, enviou-me para um centro de acolhimento.   Aqui cheguei há algum tempo, mas até hoje, apesar de todos os esforços ainda não consigo ler e escrever. Contudo,  já aprendi a cuidar de meu corpo,  sei também o que é respeito e amor ao próximo, tudo com o apoio de meus cuidadores e de Deus.

O dia mais feliz da minha vida? Quando completei 15 anos.

Porquê? Porque as tias levaram-me, pela primeira vez na vida, a comprar algo novo. É, ao longo desses 15 anos, nunca havia recebido algo que pudesse chamar de meu, verdadeiramente novo. Sempre herdei doações! Mas o mais fantástico é que ganhei meu sonho: um par de tênis All Star, que eu mesmo escolhi após entrar em três diferentes lojas.  Estou muito feliz!

Meu futuro? A Deus e a meus cuidadores doei as rédeas da vida.  Espero continuar a ter sonhos e forças para conquistá-los. Afinal, há luz no fundo do poço!”

 

2 comentários para A esperança não pode partir!

  1. Luiz Ronaldo comentou:

    Excelente texto. Genial.
    Parabéns pela iniciativa de poder ajudar pessoas tão carentes de bens materiais e afeto.
    Com vontade pode-se fazer muito.
    Parabéns!

  2. Ale Borges comentou:

    Lindo depoimento Bel.
    Não podia esperar nada diferente de vc! Tocou meu coração mesmo!
    Realmente acredito q podemos fazer a diferença… Mesmo com o que pensamos ser “pequenos atos”, isso pode significar muito para alguém…

Deixe um Comentário

Seu email não será publicado.

*

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *