Liberdade, liberdade, algo tão precioso!

October 18th, 2014 por

– “Good morning”- De onde a senhora é?

– Brasil!

– Hum, veio fazer compras?

– Não, vim a uma reunião!

– Mas fez compras???!!!!

– Sim, “Peanut butter” e algumas outras guloseimas!

– Ah, não há isso no Brasil?

– Sim há, mas é muito mais caro que aqui.

– Porque?

……..

Bem, e por aí seguiu a minha curta,  mas muito  interessante conversa com o motorista de táxi, no percurso entre o Target e o meu hotel. Com a liberdade que esse me deu de conversar, também dou-me o direito de perguntar-lhe de onde é, já que o seu sotaque e o nome na identificação são de origem árabe.

– E o senhor de onde é?

– Do Líbano. Mas na verdade, eu sou Palestino,  nascido no Líbano. Só que tenho nacionalidade Americana e, um salvo conduto do Líbano, que diz que sou refugiado Palestino. A senhora sabia que um Palestino, mesmo que nascido em qualquer outro país árabe, nunca ganha a nacionalidade desse país?

– Sim, sabia, porque tenho um bom amigo também Palestino que nasceu na Arábia Saudita onde sempre há morado e, da mesma maneira que o senhor, não tem nacionalidade, no caso dele, nenhuma mesmo!

– Pois é, veja a senhora que nem os nossos irmãos muçulmanos nos dão a nacionalidade, mesmo que tenhamos nascido no país. Por outro lado, aqui na América, se fazemos tudo conforme a lei, podemos ganhar a cidadania americana.

– E você gosta de morar aqui? É bem tratado?

– Senhora, aqui as coisas são organizadas. Se eu trabalho, eu ganho! Se não faço nada, não tenho nada! Ou seja, sou o que mereço!!!

Assim, segue a nossa conversa, até que chego ao hotel, pago a corrida e despeço-me.

Já no elevador começo a pensar:

Liberdade, liberdade como é bom viver este estado. Poder escolher o que se quer, ou o que não se quer. Liberdade organizada, com respeito aos limites dos outros, sem invadir o espaço que não lhe pertence e, ao mesmo tempo ser reconhecido pelo que se faz!

Talvez, por isso, sempre que olho para trás e me vejo nesta terra, penso como sou respeitada, apesar das muitas limitações de vários! Meu viés pessoal, quase sempre é confirmado por aqueles, também de outras pátrias, com  quem comumente tenho a oportunidade de conversar. Seria isso a consequência da liberdade?

Não tenho como objetivo consertar o mundo, mas não posso ignorar, após ter viajado tanto por aí, as várias faces desta boa realidade, tão frequentemente denominada imperialista!

Que seja…. porque se não são esses, são os outros e,  viva a liberdade!

 

1 comentário para Liberdade, liberdade, algo tão precioso!

  1. Emerson Silami Garcia comentou:

    Basta comparar o Obama com a Dilma. As demais diferenças se tornam óbvias.

Deixe um Comentário

Seu email não será publicado.

*

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *