Adeus Terê, até breve! Mas por você, tenho que falar em “Qualidade de vida”!

January 15th, 2017 por

O tempo que voa como uma albatroz sobre os mares da Antártida (acabei de ver isto na série The Hunt, no Netflix, que a propósito vale demais) roubou de mim a memória até  de como conectar-me com a minha página da Web. Tive que usar os super poderes do meu computador Mac para encontrar a forma de o fazer, o que sem dúvida logrei pela tremenda capacidade destes computadores.

Ontem, tomei conhecimento que a última vez que havia dedicado algumas palavras ao meu blog foi em Setembro passado. Que horror!

Passaram-se meses, congressos, viagens, sucessos, desesperos, partidas de amigos, avisos de chegadas, mudanças de status de vida e tantos outros acontecimentos transformaram o meu dia a dia na velha desculpa: não tenho tempo! Algumas vezes, ou muitas vezes, tenho ciência de o que me faltou, foi mesmo a vontade de escrever, depois de um dia cheio de labor ou de um fim de semana de puro ócio. A rotina da quantidade de atividades em nada mudou, mas os fins de semana certamente são diferentes. Afinal,  decidi que após tanto tempo de formada, não é nada razoável ter que trabalhar em dias supostamente de descanso. Aderi à normalidade! E por isso então, faltou mesmo tempo aliada à ausência de vontade, disposição etc para dedicar breves minutos a escrever algo mais ja que de fato,  passo tantas horas do dia a fazê-lo. Porém, ao ter um blog, dispus-me a compartilhar ideias, receitas e um monte de outras coisas, logo inadmissível o silêncio. Assim, voltemos!

E nada melhor de que começar o ano com algo que me atormenta à medida que o tempo passa: Qualidade de vida!

Expressão ampla, valorizada pela Organização Mundial de Saúde como aspecto importante no conceito de saúde (muito além da ausência de doença), mas que por sua vez, varia impressionantemente muito, de acordo com cada indivíduo e povo.

Neste sentido, a qualidade de vida para quem está doente, às vezes, pode ser apenas querer comer o docinho proibido porque é diabético, ou porque está acima do peso. Afinal, há sempre uma razão limitante, que deverá ser interpretada desta forma e não como “proibida”. Se proibir fosse a solução para os problemas da humanidade bastaria emitir a palavra e tudo se resolveria. Mas não é bem assim! Então vejamos –  aqueles proibidos de sociabilizar no mundo livre, por transgressão às regras de direito, são encarcerados, mas lá continuam os atos de brutalidade. Isto só para lembrar os últimos acontecimentos pavorosos neste país, chamado Brasil.

Mas voltemos à qualidade de vida! Ao lidar com enfermos, precisamos sempre avalia-la à luz desses e não à nossa. A cada dia que passa, mais ciente de que quando cuido de doentes, a primeira coisa que me vem, além da necessidade de “tratar” é sempre como posso melhorar a qualidade de vida deles. Isso certamente espanta muitos colegas e familiares, que na ânsia de mostrar extrema sabedoria (será???) transcendem em cuidados com o corpo sem pensar na alma. Por outro lado, os de sangue, por razões que discuti há tempos num post do Facebook, fazem-no “talvez” como mecanismo de compensação. Por isso, a cada dia a Medicina está mais maquinizada e menos humanizada. Paremos e reflitamos!

Máquinas enferrujam e até computadores modernos ficam obsoletos, ou seja, há sempre um início um meio e um fim. Porque seria diferente com a vida? De sorte, que vivamos a nossa efémera passagem terrestre com a melhor qualidade de vida que possamos ter e, que certamente, é distinta entre todos. Como profissional de saúde, tenho a obrigação de respeitar a vontade do outro, em especial, desde que explique os “custos e benefícios” de forma clara e concisa. A decisão é sempre do outro indivíduo!

Assim, quando me dizem, “doutora, você precisa proibir isso, pois meu pai/marido/filho etc etc tem que parar de fazer/comer/beber etc etc” – eu respondo “veremos……”

PS – hoje, o dia foi triste, porque partiu uma grande amiga e na sua dura caminhada, algumas vezes, me perguntei se a qualidade de vida dela foi respeitada. Enfim, descansou e nas mãos de Deus estará sempre em bela companhia. Até breve amiga Terê!!!!

 

2 Comentários

Desnutrição hospitalar – o que sei….

September 13th, 2016 por

Quinze anos se passaram desde que defendi meu Doutorado na Universidade de São Paulo. Na época, mostrei sobre a gravidade do problema desnutrição hospitalar e o impacto em complicações, mortalidade, tempo de internação prolongado e, obviamente, custos para o sistema[…]
Leia o post completo…

1 Comentário

Beringela “au fois gras al sugo”….

September 7th, 2016 por

Que raio de nome chique eu inventei para um prato criado com os “restos” que havia na geladeira…… Salada de folhas verdes com alho em conserva e amêndoas, isso nem preciso compartilhar a receita porque é banal, mas vou descrever[…]
Leia o post completo…

Deixe um comentário

Mexa-se……

August 23rd, 2016 por

Atividade física é tão essencial no dia a dia, tal qual comer bem o é! Porém,  o que mais ouço é: “não tenho tempo ou não gosto de fazer atividade física”. Respondo de imediato: “mas para ficar no Facebook ou qualquer[…]
Leia o post completo…

1 Comentário

Desconstruindo…..o esporte!

August 21st, 2016 por

Desconstruindo……somente assim,  posso justificar o meu afastamento de mais de um mês, deste blog! Ao desconstruir, busco entender porque há momentos que meu silêncio se faz necessário, ainda que a minha alma pensante e ativa siga trilhando pelo mundo da solidez[…]
Leia o post completo…

1 Comentário

Perder peso, somente estética ou algo muito mais importante?

July 15th, 2016 por

Perder peso vai muito além da estética! Acredito que muitos já saibam de todos os benefícios, principalmente dos cardiovasculares e do controle do diabetes, quando se perde peso. Contudo, hoje, também sabemos que baixar o peso tem impacto na “história do[…]
Leia o post completo…

1 Comentário

Somos todos “Portugal” hoje, até eu! 11 milhões….

July 11th, 2016 por

A minha frase título pode parecer estranha, ou até mesmo insensível, mas é na verdade, muito real. Porque? Simplesmente porque apesar do meu passaporte Português e da minha família que vive em Portugal, nunca me senti uma Portuguesa, em função[…]
Leia o post completo…

1 Comentário

We are all “Portugal” today, even me! 11 millions….

por

My title sentence might seem weird and at the same time insensitive, but it is indeed very real! Why? Because, although I have a Portuguese passport and most of my family/relatives are in Portugal, I have never felt myself one of[…]
Leia o post completo…

1 Comentário

Linguado com alho poró

July 6th, 2016 por

Porções – 4 4 filés de linguado 2 caules de alho poró (sem as folhas, que podem ser usadas para fazer posteriormente uma sopa), cortados em rodelas finas 10 tomates cereja cortados em metades Pasta de alho e sal (eu uso[…]
Leia o post completo…

1 Comentário

Salada de maçã verde

por

    Porções – 4 1 maçã verde com casca 4 ramos de couve-flor crua (picar bem pequeninha) 10 tomates “grape” cortados em metades 1/2 cebola roxa em rodelas bem finas 10 ramos de cebolinha, picados em tamanho pequeno. suco de[…]
Leia o post completo…

1 Comentário